A MORTE DO JORNALISTA CORREA NETO CONTINUA REPERCUTINDO

Leia abaixo texto que o amor, a saudade e gratidão fizeram brotar do coração da Juliana Correa, neta do companheiro Correa Neto, passados alguns dias da grande viagem reservada a todos os seres humanos; a mocinha lembra o avô, o jornalista que tanto admirava,  os amigos, a confidente, a secretaria do lar, o anjo que iluminou os últimos anos da sua vida.

Se eu quiser falar com Deus

          A ausência de meu avô não leva de nós seu legado. Herança essa que ultrapassa as barreiras materiais e entra no campo do conhecimento e da curiosidade. A morte não cala o conhecimento, não cala a ética, não cala a história de uma vida inteira dedicada à informação correta, fosse ela originada de qualquer lugar.

Começo agradecendo imensamente às pessoas que cuidaram de meu avô nos últimos e mais difíceis anos de vida: Dona Rosa, sua fiel secretária, amiga e confidente; Patrício, seu enfermeiro fiel e o mais humano que Deus podia colocar em nosso caminho e Ruth, nossa secretária do lar que todo santo dia cuidava para que tudo acontecesse de maneira a não desregular a rotina da casa.

Ao Dr. Cláudio Leão, que por inúmeras vezes se dedicou aos cuidados com meu avô, ouvindo suas histórias e articulando para que tudo saísse da melhor maneira possível durante suas inúmeras internações e tratamentos intensivos. A seus grandes amigos, de longas datas, Elson Martins, Phelippe Daou, João Silva, Paulo Silva, João Capiberibe, Júlia Alcolumbre, Tabosa, Ana e Sandro Gallazzi, entre tantos outros que ora brigavam, se desentendiam, mas conseguiam perceber que o valor do projeto de vida que eles escolheram todos juntos era maior do que os perrengues do dia-a-dia.

Agradecer imensamente à nova safra de políticos que permitiram que ele morresse com esperança renovada de que daqui pra frente nós faremos o mundo mudar. E também agradecer aos maus políticos, pois graças a vocês, ele conseguiu realizar seu objetivo de vida, que era combater a má política. Entendam que sua ira não era contra as pessoas, e sim contra as condutas erradas.

Nosso muito obrigado a todas as pessoas que debatiam os mais diversos assuntos com ele, via internet. Vocês foram o combustível da vida dele após a doença que limitava sua vida social. Concordando ou discordando das suas convicções, vocês alimentavam sua existência mais do que qualquer nutriente palpável.

Meu avô pode se tornar o homem espetacular que foi, graças a tantos sofrimentos por ele vividos ao longo de seus 74 anos. Em Belém do Pará, ficou órfão de mãe aos sete anos de idade e precisou sofrer alguns maus tratos nas mãos de madrastas até que, aos 16 anos, fugiu de casa para nunca mais voltar.

          Ingressou na Marinha, através da qual foi campeão carioca de tênis de mesa e se orgulhava muito de contar que, graças a este título, ele era o único marinheiro fardado que podia entrar no Clube Náutico do Rio de Janeiro para dar aulas de ping-pong. Jogou na equipe sub-21 do Vasco da Gama, seu time do coração até o fim da vida.

Decidiu ser Jornalista por não aceitar passar por esta vida em vão. Voltou ao Pará, desta vez em Bragança, onde conheceu sua esposa Vera. Já ativista na oposição de tudo o que achava incorreto, fugia constantemente da Ditadura Militar e por isso casou-se via procuração. Juntos, foram para Manaus, onde viveu as maiores aventuras que um jornalista pode viver. Dentre elas: voar em um avião Catalina com 16 parafusos a menos na asa para cobrir um grande acidente aéreo no meio da selva. Dentre elas também, fugir dentro de um cesto, no lombo de um burro, floresta adentro, para não ser assassinado pelos soldados da ditadura.

        Passou dificuldades no Amazonas, tudo para fazer o que mais amava: comunicar. Veio para o Amapá com sua esposa e os dois primeiros filhos em busca de dias melhores, onde seu pai já estava vivendo. Aqui fez a maior parte de sua história e o restante de sua família. Combateu o governo do antigo Território, foi preso, sofreu tentativa de atropelamento, de suborno e muitos assédios morais, mas nunca calou para absolutamente ninguém.

Discordou de amigos, pediu desculpa a alguns desafetos. Sempre abriu espaço para todo tipo de opinião. Respirava opiniões. Chegava a dizer que era preciso provocá-las  para que as pessoas saíssem da zona de conforto.

          Vivia dizendo que não queria virar nome de rua, porque isso é inútil. Queria inspirar as pessoas a serem melhores e se quisessem homenageá-lo, que plantassem muitas flores para atrair bem-te-vis e beija-flores, pois ele os adorava.

Pulou as fogueiras dos maus tratos, solidão, fome, tuberculose, diabetes, complicações pulmonares, amputação de uma perna, escreveu até os 74 anos com o auxílio de uma lupa e no fim calou-se… Partiu nos braços de um anjo que Deus colocou em sua vida pra trazer carinho até o último momento, sua namorada Rechene. Não calou, porque tinha muitas perguntas a fazer para Deus.

 

 

Juliana Corrêa

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s