ÁRVORES DOENTES LEVAM PREFEITO A DECRETAR SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA NA CAPITAL MINEIRA

O prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda (PSB), decretou nesta terça-feira (26) situação de emergência por causa da ameaça de infestação da mosca-branca-do-ficus (figueiras) (Singhiella sp) em cerca de 12 mil árvores da capital mineira.

O inseto está destruindo árvores centenárias nos bairros Santa Efigênia, Santo Agostinho e Funcionários, e zona central da cidade, nos arredores da Igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem, Catedral Metropolitana de Belo Horizonte. As figueiras foram plantadas durante a fundação de Belo Horizonte, entre 1893 e 1897. Pelo decreto do prefeito, a situação de emergência vai valer por 180 dias.

Com o decreto 15.183, a prefeitura comunica oficialmente o Sistema Nacional de Defesa Civil sobre o problema na cidade, que “fugiu do controle”. Com isso, pode agilizar os processos junto a órgãos estaduais e federais. O dispositivo possibilita a aquisição de serviços e produtos com a dispensa de licitações. A situação de emergência também abre precedente para pedido de recursos financeiros ao Estado e à União.

Segundo o coordenador de Defesa Civil do município, coronel da Polícia Militar de Minas Gerais, Alexandre Lucas Alves, a mosca está infestando árvores tombadas como patrimônio cultural de Belo Horizonte, causando risco de queda de ramos e galhos de dimensões expressivas e a morte progressiva de espécimes.

“O gênero fícus tem grande relevância ambiental e paisagística para o município”, disse.

Praga

A expectativa para acabar com a praga e salvar as centenárias figueiras da capital mineira, segundo Alves, está depositada em dois pesticidas, ambos com agentes biológicos.

Em fase de testes, a Prefeitura de Belo Horizonte espera conseguir, em curto espaço de tempo, autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para aplicá-los nas árvores.

Trata-se do óleo de nim (ou óleo de neem), substância extraída de árvores de origem asiática e usada como alternativa aos agrotóxicos no Brasil, com estudos iniciados em 1986. O outro pesticida é o fungo entomopatogênico, que é capaz de parasitar o inseto, matando-o ou paralisando.

“A mosca-branca é proveniente da Ásia e foi detectada no Rio de Janeiro [2009] e em São Paulo [2010]. Nas duas cidades, as árvores que apareceram com a doença foram suprimidas. Estamos tentando encontrar uma solução que até agora não foi encontrada. Cerca de 200 dessas árvores já estão condenadas”, disse Alves.

“Não estão faltando recursos para combater a praga, mas precisamos agilizar os procedimentos. Daí a necessidade do decreto”, afirmou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s