INVESTIMENTO EM SEGURANÇA PÚBLICA REDUZ A CRIMINALIDADE NO AMAPÁ

IFace mais visível da Segurança Pública do Amapá é o policiamento comunitário, onde foi implementada a nova filosofia de proximidade com a populaçãoA renovação das frotas policiais, a modernização de equipamentos e os investimentos em recursos humanos reduziram em 34,48% o índice de homicídios em Macapá, que concentra 60% da população do Estado. O declínio foi de 203, em 2010, para 133, em 2012. No Amapá, a redução registrada foi de 23%, com uma queda de 295 (2010) para 228 (2012) homicídios.

De acordo com o Relatório Integrado de Segurança Pública da Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública (Sejusp), as variações referentes à capital despencaram de 52,38 homicídios por cada grupo de cem mil habitantes, em 2010, para 32,01, em 2012. A análise segue a metodologia de classificação da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), que exclui desse indicativo as mortes por lesão corporal, infanticídio, latrocínio e mortes por auto de resistência (em legítima defesa).

O sucesso nos resultados, segundo atribui o secretário de Estado da Justiça e Segurança Pública, Marcos Roberto Marques, está diretamente ligado à estruturação da Segurança Pública, a partir de 2011. O Governo do Estado investiu em novas viaturas e equipamentos, que foram incorporados à Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Técnico-Científica, Instituto de Administração Penitenciária e Departamento Estadual de Trânsito. Junto com o aparelhamento, foram chamados os concursados da PM e do Iapen.

O reforço na Segurança Pública também fez subir o volume de drogas apreendidas. Somente no primeiro semestre de 2012, a quantidade foi 80% superior a todo o ano de 2011, em que a Polícia Civil já havia registrado um crescimento de 700% em relação às apreensões de entorpecentes em 2010.

O efeito do comprometimento da Segurança Pública com a população também fez despencar o número de fugas e homicídios dentro do Iapen. O saldo negativo de fugas chegou a 82% em 2012, com relação a 2010. E ainda, em ano e sete meses, nenhum homicídio foi registrado no interior daquela casa de detenção.

“Estamos trabalhando o pacto pela paz. Ainda estamos longe de alcançar o ideal, mas temos intensificado nossas ações em busca da redução da criminalidade no Estado”, garantiu Marcos Roberto.

Nas duas últimas semanas, o secretário tem reunido com as polícias Civil e Militar e Serviço de Inteligência da Segurança Pública para definir ações efetivas de combate a duas modalidades de crimes que vêm ocorrendo no Estado: o roubo a residências e roubo a estabelecimentos comerciais.

Ainda neste mês será assinado um Termo de Adesão entre a Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública (Sejusp) e o Sistema Nacional de Estatística Policial e Justiça Criminal (Sinaspjc). O documento vai possibilitar o recebimento de recursos para investimento em estatística no Amapá. Informações de todas as delegacias serão coletadas e enviadas ao sistema integrado.

Polícia cidadã

A face mais visível da Segurança Pública do Amapá é o policiamento comunitário, onde foi implementada uma nova filosofia, a de proximidade com a população. A primeira Unidade de Polícia Comunitária (UPC) foi instalada no bairro das Malvinas, em Laranjal do Jari, em dezembro de 2011. Um ano depois, o número de homicídios caiu 61% no município.

O modelo, que tem na população o principal aliado para combater a violência, já está sendo replicado em Santana e Macapá. No final do ano passado, foram inauguradas as UPCs da Baixada do Ambrósio, na área portuária de Santana, e no Novo Horizonte, em Macapá, e duas obras estão em andamento, a UPC do Igarapé da Fortaleza e a UPC do Araxá/Pedrinhas.

Segurança nas fronteiras

Através da Estratégia Nacional de Segurança Pública nas Fronteiras (Enafron), o Ministério da Justiça tem programados investimentos de R$ 15 milhões no Amapá. O programa já está em execução.

Os recursos estão sendo aplicados na estruturação de unidades especializadas de fronteiras da Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Técnico-Científica e Corpo de Bombeiros.

O Estado incluiu quatro municípios na política de fronteira: Oiapoque, Calçoene, Amapá e Laranjal do Jari. Em todos eles, está sendo trabalhado o fortalecimento da segurança pública nos serviços de inteligência; inovações tecnológicas de monitoramento e controle fronteiriços; e reaparelhamento de centros e postos integrados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s