GEA DIZ QUE SAUDE MELHOROU NO MAPÁ

Ao assumir o governo, em janeiro de 2011, Camilo Capiberibe sabia que teria um grande desafio pela frente: tirar o Estado do Amapá do atraso de oitos anos criado pela última gestão. Um dos desafios enfrentado pelo governador foi melhorar a saúde, esquecida por quase uma década. Camilo era conhecedor dos problemas do setor, tinha ciência de que esses gargalos não se concentravam somente na rede pública de saúde da capital, mas em todos os municípios do Estado.

Atualmente, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) administra 11 unidades hospitalares espalhadas pelos municípios. Além dessas, estão sob a responsabilidade do Estado, na capital, cinco hospitais e vários centros de referências que prestam serviços especializados para toda a população.

O Hospital Alberto Lima, Maternidade Mãe Luzia e Hospital da Criança e do Adolescente são casas de saúde que prestam atendimentos de alta e média complexidade. O Hospital de Emergência e o Pronto Atendimento Infantil, como o próprio nome diz, são unidades que prestam serviços de urgência e emergência. Mesmo esses hospitais sendo de importância para todos, deixaram de receber investimentos em suas estruturas pelo último governo e, com isso, quem sente é a população.

Atrás do tempo perdido

Olinda Consuelo, que é diretora do Pronto Atendimento Infantil (PAI) e do Hospital da Criança e do Adolescente (HCA), diz que, ao assumir as duas instituições hospitalares, em 2011, sentiu o peso da falta de investimentos na saúde do Estado. “Nosso maior problema era a falta de leitos, pois nossa demanda era grande e não conseguíamos atender a todos”, comenta.

Na busca de desatar os nós do desenvolvimento, o governador Camilo pediu que o gestor da pasta da Saúde apresentasse soluções imediatas. Em fevereiro de 2011, o secretário de Saúde, com apoio do governo, fez a abertura de 20 novos leitos no Hospital das Clínicas Alberto Lima.

A Maternidade Mãe Luzia foi outra instituição pública a receber os investimentos. Em março de 2011 foi inaugurada uma nova Unidade Neonatal. O espaço conta com 35 novos leitos, sendo 18 na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e 17 leitos na Unidade de Controle Intermediário (UCI). As ações não pararam por ai.

Além desses investimentos, a Sesa capacitou servidores da maternidade, o que incidiu diretamente na melhoria do atendimento às parturientes e, consequentemente, na queda dos índices de óbitos maternos ocorridos no hospital. Em 2012, o índice de mortalidade materno caiu em 50%. Um avanço significativo.

Em junho deste ano, o Hospital da Criança e do Adolescente recebeu 31 novos leitos para atender a população. A iniciativa minimizou o fluxo de crianças atendidas diariamente nos corredores do Pronto Atendimento Infantil, que enfrentava sérios problemas de superlotação devido à incapacidade da Rede de Atenção Primária de receber crianças, cujo problema de saúde não seja classificado como urgência ou emergência.

Além da ampliação e abertura de leitos nos hospitais da rede pública da capital, a Sesa climatizou em 100% todas as unidades, tornando possível um atendimento humanizado a todos que procuram a rede de saúde.

Outra medida adotada pelo governo foi retomar as obras dos hospitais de Laranjal do Jari, Santana e Oiapoque, que estavam paralisadas há anos. A Sesa trabalha para que esses hospitais sejam entregues à população ainda no primeiro trimestre de 2013.

Além de investir nas estruturas físicas dos hospitais, o governo priorizou a saúde preventiva e curativa, reativando os Centros de Especialidade Odontológica (CEO) e o Centro de Atenção Psicossocial para Álcool e Outras Drogas (CAPS).

A contratação, por intermédio de concurso, de servidores para o quadro da saúde foi outra ação executada pelo governo. O concurso ofertou 1.593 vagas para os níveis médio e superior em diversas áreas da saúde. O governador empossará cerca de 400 servidores, ainda em dezembro deste ano, e os outros aprovados serão empossados em janeiro de2013

Trabalhando para a população

Os mutirões foram outros recursos criados pelo governo para atender uma parcela da população que ficou sem alguns serviços essenciais. As mulheres vítimas de escalpelamento foramas primeiras a serem beneficiadas com ações de cirurgias plásticas. No total, 53 mulheres foram contempladas na ação. Com o intuito de atender uma demanda reprimida de pacientes que precisavam de cirurgias ortopédicas, o governo, através da Sesa, criou um mutirão que atendeu 32 pacientes e, assim, abrindo vagas nos leitos do HCAL.

Além disso, o governo valorizou as parteiras, criando oficinas de capacitação e realizando o II Encontro Internacional das Parteiras Tradicionais do Amapá. Outro projeto reativado pelo governo foi o “Visão para Todos”, que irá atender pacientes com perda de visão causada por catarata ou diabetes. O governo já assinou o Termo de Compromisso com a Escola Paulista de Medicina, que ficará responsável em fazer os procedimentos cirúrgicos nos pacientes.

A retomada de alguns serviços pela Secretaria de Saúde foi outra iniciativa do governo. Neste ano, os exames de tomografia, que eram administrados por uma empresa privada, passaram a ser oferecidos pelo Hospital de Clínicas Alberto Lima. Mais um benefício econômico para o Estado, que deixou de pagar contrato à empresa.

“Nesses quase dois anos de governo tivemos de arrumar a casa. A saúde estava completamente abandonada e, aos poucos conseguimos reorganizar a situação e hoje estamos oferecendo um serviço de qualidade. Sei que muito ainda deve ser feito, mas o governo está atuante e, com certeza, realizaremos o sonho de cada amapaense, de ter uma saúde humanitária para todos”, declara o secretário de Estado da Saúde, Lineu Facandes.

Olhando para o futuro

As ações do Governo do Amapá não se centraram somente nessas mudanças. Para 2013 novos investimentos serão feitos para atender a população, tanto da capital como em outros municípios. No próximo ano, o governo irá implantar um novo aparelho de tomografia no Hospital de Emergência para atender a demanda daquela casa de saúde. Para a aquisição do equipamento o Estado investiu cerca de R$ 1,5 milhão.

Outro equipamento que será adquirido pela Secretaria de Saúde será um aparelho de ressonância magnética. O Termo de Referência já foi elaborado e, em breve, será encaminhado para licitação e, posteriormente, sua compra.

Ainda neste ano, o governador Camilo Capiberibe assinou a Ordem de Serviço para obras de reforma e readequação física no Hospital da Mulher Mãe Luzia, Hospital da Criança e do Adolescente e Hospital de Emergência, que serão entregues no início de 2013. O investimento é de R$ 231 mil e o prazo de entrega das obras é de 120 dias.

Com as obras, o Hospital da Mulher ganhará 17 novos leitos em duas enfermarias. O Hospital da Criança e do Adolescente ampliará de 5 para 9 leitos na Unidade de Terapia Intensiva e o Hospital de Emergência também receberá duas novas enfermarias com capacidade para 12 leitos. No HE haverá ainda a implantação do sistema de classificação de risco, que vai priorizar os atendimentos por gravidade e não por ordem de chegada.

Outro projeto a ser executado é a Casa da Gestante, Bebê e Puérpera. O projeto está pronto e segue os mesmos moldes estabelecidos pelo Ministério da Saúde (MS). A casa irá atender mulheres que passarão por parto normal. “As mulheres atendidas serão aquelas que não apresentam gravidez de risco, ou seja, aquelas que realizaram todas as consultas de pré-natal e que terão a possibilidade de ter um parto normal. Se houver a necessidade de um atendimento mais complexo, essa mulher será encaminhada à Maternidade Mãe Luzia”, explica a diretora da Maternidade, Catarina de Nazaré Souza de Oliveira. “Com a construção da Casa de Parto não teremos problemas com leitos em nossa maternidade”, completa.

O governador anunciou ainda que o Estado irá receber cerca de R$ 4,5 milhões em equipamentos hospitalares e que mais R$ 2,5 milhões serão adquiridos ainda em 2013, além de mais R$ 10 milhões já aprovados pelo MS para equipar os hospitais de Santana, Laranjal do Jari e Oiapoque.

Depoimentos

Atendimento do HCA

Eliete de Lima Pantoja, 32 anos, é uma das pessoas que buscou atendimento no Hospital da Criança. Para ela, “o atendimento no Hospital da Criança é muito bom, meu filho está internado aqui há dezessete dias e recebe todo o acompanhamento necessário pela equipe do hospital. Apesar de ainda estar em recuperação, ele se sente feliz por causa do carinho com que é atendido”, diz a dona de casa.

Escalpelamento

Maria de Jesus Souza Rodrigues, 36, definiu em uma única palavra o sentimento de felicidade. Ela é uma das 53 vítimas de escalpelamento que passaram por cirurgias reparadoras. Maria de Jesus esperou 12 anos por essa oportunidade de ter o couro cabeludo reconstituído. “Antes tinha vergonha de tomar banho de piscina, todos viam meu ferimento, hoje o preconceito acabou”. Ela agradeceu a Deus e ao governador Camilo Capiberibe, que ajudaram na recuperação de sua autoestima e da melhora de sua estética visual.

A jovem Mirlani de Souza Pinto, 19, também está satisfeita com o resultado das cirurgias que fez. Ela teve 100% do couro cabeludo recuperado. “Hoje estou feliz e trabalhando. Agradeço a todos os que me deram a chance de recuperar minha felicidade, principalmente aos médicos que foram bem atenciosos comigo. Graças à iniciativa do governo do Estado hoje sou uma mulher realizada e com a autoestima elevada”, declara.

Alguns investimentos futuros

– Eleboração do Projeto executivo para a Maternidade de Mazagão

– Execução de projeto básica e executivoa do Hospital Regional de Porto Grande para atendimento da demanda de média complexidade referenciada pelo municípios pertencentes à regão central do Estado;

– Processo licitatório para a contrução de três Unidades Básicas de Saúde em Mazagão

– Construção do Complexo Hospitalar da zona Norte (Hospital de Urgência e Emergência e Maternidade da Zona Norte);

– Implantação de 706 leitos nas unidades hospitalares;

– Impalntação de 39 leitos de UTI (Neonatal, Pediátrico e adulto) nas Unidades Assistenciais

– Impantação de 47 leitos nas Unidade de Cuidados Intemediários das unidades da rede;

– Aumentar e assegurar a oferta de consultas especializadas;

– Elaborar o projeto para contrução do complexo regulador da atenção hospitalar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s