SARNEY DESCARTA A REFUNDAÇÃO DA ARENA

GABRIELA GUERREIRO
DE BRASÍLIA

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse nesta segunda-feira (19) que a refundação da Arena –partido que deu sustentação à ditadura militar– é uma “ressurreição impossível”. Ex-presidente da sigla, Sarney disse não acreditar que a recriação do partido saia do papel.

“Nós estamos falando de coisas tão antigas, mortas a tanto tempo, é uma ressurreição que eu acho impossível”, afirmou.

Sarney presidiu a Arena (Aliança Renovadora Nacional) e o PDS (Partido Democrático Social) durante o regime militar antes de integrar o PMDB. Foi eleito senador em 1970 pela Arena –partido pelo qual se reelegeu ao Senado em 1978. Presidiu a sigla em 1979 e no mesmo ano se transferiu para o PSD.

Gabriel Lain/Folha de Caxias
A estudante Cibele Bumbel Baginski, 23, que tenta refundar a Arena
A estudante Cibele Bumbel Baginski, 23, que tenta refundar a Arena

Aos 23 anos, uma estudante de direito deseja recriar a sigla. Cibele Bumbel Baginski publicou semana passada no “Diário Oficial da União” o estatuto da nova Arena. A jovem assina o estatuto como presidente nacional do grupo.

A etapa é necessária para que o partido comece a coletar as cerca de 500 mil assinaturas exigidas para o registro na Justiça Eleitoral. Com o registro, a legenda passa a poder disputar eleições e a ter direito a uma parcela do Fundo Partidário, mantido com recursos da União.

Entre as bandeiras defendidas pelo partido estão ações como “abolição de quaisquer sistemas de cotas raciais, de gênero ou condições ‘especiais'”, a maioridade penal aos 16 anos e o retorno ao currículo escolar das disciplinas de Latim e Educação Moral e Cívica –ensino imposto em 1969 pelo regime militar e tirado do currículo em 1993.

O partido seria controlado por um “Conselho Ideológico”, instância “suprema” composta por cinco membros permanentes e vitalícios e quatro indicados por membros.

O texto diz que o grupo possui como ideologia o “conservadorismo, nacionalismo e tecno-progressismo, tendo para todos os efeitos a posição de direita no espectro político”.

Bolsista do Prouni (Programa Universidade para Todos), a estudante diz que é agradecida ao ex-presidente Lula pelo financiamento de seus estudos. Cibele recebe bolsa integral do programa federal para cursar Direito em uma universidade em Caxias do Sul, cidade da serra gaúcha que fica a cerca de 130 km da capital, Porto Alegre.

Segundo ela, talvez não estivesse na universidade se Lula não criasse o Prouni. “Dá para se dizer que essa é uma das coisas que ele fez de bom”, disse. “Se eu tivesse que pagar, ia trabalhar como caixa de supermercado, por exemplo.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s