Política & Cidadania

 João Silva

 VERDADE

A quem interessar possa, foi Rodolfo Juarez, na rádio 93 FM, nas eleições municipais de 200o, e não Leonai Garcia, que mandou o médico Papaléo Paes (PSDB) vestir o paletó para a cerimônia de posse, pois já estava eleito Prefeito de Macapá.

Foi traído, entretanto, por dois detalhes: a diferença do Papaléo para João Henrique (PSB) era residual e ainda faltavam apurar as urnas do Bailique, reduto eleitoral do então Governador João Capiberibe (PSB); foi aí que João Henrique se elegeu e o Papaléo não vestiu o paletó da posse, mas chiou barbaridade.

 CONFIANÇA

Sem pedir segredo, um socialista próximo do senador Randolfe me disse que sua convicção na vitória do Clécio  cresceu quando colunista de jornal informou que no segundo turno Roberto Goés (PDT) iria seguir orientação do ex-senador Gilvan Borges e do Edinho Duarte, 1º Secretário da ALAP, denunciado pelo Ministério Público Estadual e afastado de suas funções por determinação da Justiça do Amapá.  Ele acha que os dois são maus conselheiros.

CÂMARA

 Prevalecendo o entendimento de que Macapá não pode ter mais que 16 vereadores, o Rocha do Sucatão (PT), candidato com a segunda maior votação do pleito, 4.192 votos – ele só perde para Aline Gurgel (PR), pode ficar fora do Palácio Janary Nunes. Sobram outros nomes importantes, como Lucas Barreto (PTB), Adrianna Ramos (PTC), Carlos Murilo (PSC) e Nelson Souza (PCB).

 MARANHÃO

Tadinha da professora da Escola Municipal “Guilherme Dourado”, no Maranhão, que colocou no Facebook a situação da escola em que trabalha crivada de goteiras – alunos tendo que usar guarda chuva para se proteger!

Daí é que as cenas se espalharam pela grande rede e ela foi demitida pela Prefeitura de Imperatriz “por prática de conduta incabível”, uma babaquice inventada para castigar educador que se atreva a praticar um gesto de cidadania.

INSUSTENTÁVEL

Derrotado nas eleições de domingo, acho que a situação de Roberto Goés na Federação Amapaense de Futebol caminha para o fim de linha. Não é possível mais a continuação de um esquema que se alimenta das facilidades que oferece a quem pude lhe causar embaraços. Ainda bem, porque Roberto sequer foi eleito presidente da chamada “Casa do Futebol”, algo cobrado por dois gatos pingados da imprensa tucuju. A casa caiu, não há dúvida.

RIGOR

Bom reconhecer que a Justiça Eleitoral e o Ministério Público agiram com rigor no caso da propaganda eleitoral indevida no rádio e na televisão. Fecharam por horas, e até por alguns dias, emissoras, cujos patrões são políticos e queriam intervir no processo. Essas figuras precisam se reciclar, precisam entender que estão de posse de uma concessão pública para divertir e informar  a sociedade, e não para desinformar, para mentir e criar factóides contra seus adversários políticos.

ERNANI E MARAPA

Sempre bom rever velhos amigos. Estavam por aqui até ontem a tarde (29/10), vindos de Belém, onde residem com a família; o Ernani, ex-diretor da RDM e chefe de gabinete de vários governadores do extinto Território Federal do Amapá, veio votar em  Cristina (PSB) no primeiro turno e no Clécio Vieira (PSOL) no segundo turno; o João Maria do Amaral Tôrres, psicólogo e professor da Universidade Federal do Pará, veio abraçar familiares que não via de algum tempo. Ali no Pantoja, sábado de rio cheio, passamos o papo a limpo, comemos uma caldeirada da melhor qualidade e rebatemos com meia dúzia de gelosa espumosa, como diria o radialista Arnaldo Araujo.

 MIGRAÇÃO

Números do IBG revelam que a migração no Brasil tomou novo rumo, o que despertou a atenção da equipe que produz o Jornal Nacional, que atravessou dois mil e oitocentos quilômetros, de São Paulo à Macapá, para entrevistar brasileiros que deixaram grandes centros em busca de uma vida melhor no Norte do País.

O trabalho de reportagem vai abranger cinco regiões e será feito pelo repórter Rodrigo Alvarez, que já está na capital amapaense e aqui terá apoio logístico da TV Amapá, que é afiliada da Rede Globo de Televisão. Tomara que o resultado do trabalho seja bom para o Estado, vamos conferir.

 UMAS & OUTRAS

Prevalecendo 16 cadeiras, a próxima Legislatura da Câmara Municipal de Macapá vai ficar assim: 3 vereadores do PR (Aline Gurgel, João Henrique Pimentel e Eddy Clay); 3 vereadores do PSB (Washington Picanço, Neuzinha e Allan Ramalho); 2 vereadores do PSOL (André Lima e Professor Madeira); 2 do PMDB (Acácio Favacho e Augusto Aguiar), 2 do PSDB (Marcelo Dias e Ulisses Parente), 2 do PDT (Ruizivan Goés e Edna Auzier), e 2 do PP (Diego Duarte e Telma Nery)<>Com 3 cadeiras cada uma, as bancadas do PR e do PSB seriam as bancadas majoritárias naquela casa de leis<>Sem perda de tempo, aquele cara já está anunciando no rádio uma aliança tão esquisita quanto ele mesmo: PDT/ PSOL para 2014<>Roberto Goés e Clecio Vieira prometem uma transição tranqüila; tranqüilidade vai faltar mais adiante para encarar a real situação da PMM, algo preocupante, sobre o que se imagina, mas ainda não se pode precisar toda sua extensão e gravidade<>Nem tudo virá a tona na transição, claro!<>Rupsilva estava absolutamente certo na sua tese de enfraquecimento da esquerdas, trabalho de José Sarney, sem o qual PSOL e PSB, unidos, teriam despachado Roberto Goés já no primeiro turno, se isso não significa um exagero deste esriba<>Por enquanto é só, até mais ver, amigo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s