A TETRA ELEIÇÃO DE ARTHUR NUZMAN

Do Blog do José Cruz – Esporte sob a ótica da política, da economia e da legislação. Leia.

Em outubro,  Carlos Arthur Nuzman será tetraeleito presidente do COB.

Em 2016, ele completará 21 anos de poder. Cinco ciclos olímpicos. Outros presidentes de confederações fazem o mesmo.

Um deles, Jorge Rosa Lacerda, que assumiu a Confederação de Tênis com discurso “moralizador e democrático”, aprendeu a lição rapidinho. Em seguida, como discípulo de Nuzman, contrariou sua própria palavra, mudou o estatuto e já se reelegeu. Seguiu o exemplo que vem de cima.

Mas essa gente não se envergonha, mesmo com o estatuto do Comitê Olímpico Interncional permitindo apenas uma reeleição de seu presidente. Nem um rubor na face. Nada! Driblar o ato legal tornou-se rotina.

No Brasil, do salto do regime militar para a abertura política, já há vinte e tantos anos, a democracia ainda não chegou ao esporte. Nele, predomina a ditadura dos cartolas.

Idoneidade

A tetraeleição de Nuzman ocorrerá num momento em que a credibilidade do COB está seriamente fragilizada e comprometida:

– Roubo de informações dos computadores da organização dos Jogos de Londres;

– Demissão dos acusados, mas sem clareza oficial do episódio;

– Comprometimento internacional da imagem esportiva do Brasil;

– Gerenciamento de farta verba pública, mas sem resultados expressivos no pódio;

– Estatuto do COB impondo limitações para candidaturas à presidência;

– Superfaturamento nas obras do Pan 2007;

– Falta de planejamento para o aproveitamento das arenas esportivas;

– Acúmulo de poder com a presidência do Comitê Organizador Rio 2016;

– Diálogo limitado com os poderes da República;

– Presidente Dilma Rousseff com “um pé atrás” e de “saco cheio” de Nuzman.

Cinismo olímpico

Avaliando a importância do esporte sob o aspecto humano e educacional, como escreveu  Katia Rubio, em excelente artigo, ontem, observa-se que o Comitê Olímpico Brasileiro está na contramão desses princípios históricos.

Os legados que inspiraram os Jogos desapareceram e, por aqui, se fortalece a tese de que uma coisa são os Jogos; outra os negócios.

É nesse panorama, de perfil antipático para uma entidade que deveria ter a adesão e apoio popular, por natureza, que Nuzman vai para a eleição isolada e ofuscada pela falta de transparência na verba pública que administra.

São gestões em que se gastam rios de dinheiro – público – “favorecendo limitado número de dirigentes, que se perpetuam no poder e continuam, cinicamente, a falar sobre o ideal olímpico e o papel do esporte na educação e na integração dos povos”, escreveu Andrew Jennings.

Do Editor

No principio da década de 90, com discurso moralizador, criticando o continuismo de Antônio Soares Calçada, Arthur Nuzman o arrancou da presidência da Confederação Brasileira de Voleibol, onde ficou até ascender à presidência do COB em 1995, devendo ficar no cargo por mais de 21 anos. É assim que se faz esporte no Brasil, sem a renovação períodica dos seus quadros dirigentes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s