PROCURADOR VAI AO SUPREMO CONTRA VERBA INDENIZATÓRIA DA ALAP

Parlamentar recebe indenização mensal no valor de R$50 mil, além do salário.

A Procuradoria Geral da República propôs, na última sexta-feira, 22 de junho, arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF 255) perante o Supremo Tribunal Federal (STF), com o objetivo de declarar a inconstitucionalidade da verba indenizatória paga aos deputados estaduais do Amapá.

A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa amapaense estabeleceu o limite mensal da verba parlamentar no valor de R$ 50 mil. A quantia chegou a R$ 100 mil por mês, mas foi revogada após repercussão negativa na mídia.

De acordo com a ação, o valor ainda é a mais alta verba indenizatória para deputados no país, e incompatível com a realidade do estado. “No ano de 2005, de acordo com o PNUD, dentre 26 Estados brasileiros e o Distrito Federal, o Amapá apresentava IDH de 0,780, o que o colocava na 12ª posição. Tal situação não parece indicar que o Estado esteja em condições de desprender recursos públicos com seus deputados estaduais em montante bastante superior àqueles pagos, por exemplo, no Distrito Federal – maior IDH do Brasil, verba indenizatória de R$ 17.274,84”, argumenta a ação.

O Ministério Público Federal argumenta que a verba indenizatória concedida aos deputados amapaenses viola os princípios constitucionais da moralidade administrativa, da razoabilidade do princípio repúblicano. Para o MPF, a Constituição Federal não autoriza “carta branca” para o Legislativo estadual instituir ato remuneratório sem limites. Pelo contrário, o mandamento jurídico restringe a verba a 75% do valor recebido pelos deputados federais.

O MPF questiona ainda porque um deputado estadual faz jus a R$ 50 mil, enquanto um deputado federal pelo Amapá recebe cerca de R$ 32 mil a título de indenização. A economia dos gastos públicos deve ser requisito de qualquer ato administrativo, defende o MPF.

Anúncios

2 Respostas para “PROCURADOR VAI AO SUPREMO CONTRA VERBA INDENIZATÓRIA DA ALAP

  1. Pelo jeito os olhares lá de fora estão se voltando para ao Amapá; é revoltante como aqui reina o ditado de Julio César “para o povo pão é circo”, estamos em pleno séc. XXI, mas a corrupção não diminui, não perde o fólego, mesmo tendo vindo de tão longe.
    A quanto tempo o dinheiro dos impostos pagos são revertidos em carros importados? Se deputados de outros estados viessaem a Macapá certamente iriam se admirar de er tanto luxo e riqueza em termos de carro importado e caro.
    Quando passeio pelas ruas e vejo carros de luxo, imagino: quem é esse camarada? O que faz? Trabalha com o quê? É irritante vê-se o uso do recurso público empregado na ostentação de meia duzia de sabidões “curtindo’ uma festinha à beira-rio, na orla de Macapá.
    É isso significa o velho ditado romano “para o povo pão é circo”.
    Deixo aqui uma sugestão, LEIAM A CF/88 e vejam o que acontece quando a consciência é tranqujila.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s